Efeito dos extratos das folhas de Kalanchoe pinnata (Lam.) Pers. sobre bactérias resistentes a multidrogas

  • Michele Cezimbra Perim Universidade Federal do Tocantins. Palmas, Tocantins, Brasil
  • Joelma da Costa Borges Universidade Federal do Tocantins. Palmas, Tocantins, Brasil
  • Thiago Antônio de Sousa Araújo Universidade Federal de Pernambuco. Recife, Pernambuco, Brasil
  • Ana Carolina Oliveira da Silva Hospital de Base do Distrito Federal. Brasília, Distrito Federal, Brasil
  • Natália Mazzolani Zucchini Universidade Federal de São Carlos. São Carlos, São Paulo, Brasil
  • Solange Cristina Carreiro Universidade Federal do Tocantins. Palmas, Tocantins, Brasil
  • Anderson Ferreira da Cunha Universidade Federal de São Carlos. São Carlos, São Paulo, Brasil
  • Maria Cristina da Silva Pranchevicius Universidade Federal de São Carlos. São Carlos, São Paulo, Brasil
Palavras-chave: Kalanchoe pinnata (Lam.) Pers., Atividade antimicrobiana, Bactérias resistentes a multidrogas

Resumo

As plantas medicinais são fontes de moléculas bioativas que podem ser utilizadas contra infecções bacterianas. Neste estudo, avaliou-se a atividade antibacteriana do extrato etanólico das folhas de Kalanchoe pinnata (Lam.) Pers. contra 68 bactérias resistentes a multidrogas, isoladas de pacientes diabéticos com lesões nos pés, e de seis cepas de referência da American Type Culture Collection, através dos métodos de disco difusão em ágar (DD) e de microdiluição em caldo (MC). Realizou-se também a correlação entre o extrato e os antibióticos cefoxitina ou amoxicilina/ácido clavulânico. O extrato das folhas apresentou atividade antimicrobiana em ambos os métodos, no entanto, o método MC foi mais sensível na menor diluição (0,039 mg/mL) utilizada. Cepas comumente isoladas nesses tipos de lesões foram inibidas pelo extrato, como Staphylococcus aureus (40,91%), Staphylococcus saprophyticus (42,86%), Streptococcus pyogenes (100,00%), Streptococcus agalactiae (50,00%), Enterobacter spp. (33,33%), Pseudomonas spp. (66,67%) eProteus spp. (28,57%). A associação do extrato com os antibióticos não potencializou a atividade antibacteriana, sugerindo que eles possuem mecanismos de ação independentes. Nossos resultados mostraram que o extrato etanólico das folhas possui uma boa atividade antimicrobiana. No entanto, estudos adicionais devem ser realizados para determinar a eficácia e a toxicidade dele no tratamento de infecções bacterianas.

Publicado
2018-05-02