O que sabemos sobre os tatus do Pantanal? Revisão do conhecimento sobre ecologia, biologia, morfologia, saúde, conservação, distribuição e métodos de estudo

Palavras-chave: Cingulata, Xenarthra, História Natural, Saúde, Ecologia, Distribuição

Resumo

Xenarthra contém duas ordens, seis famílias, 14 gêneros e 38 espécies viventes. A ordem Cingulata (tatus) representa 22 das espécies de xenartros e seis destas são encontradas no Pantanal (Dasypus novemcinctus, Cabassous tatouay, C. squamicaudis, Tolypeutes matacus, Euphractus sexcinctus e Priodontes maximus). Os tatus se diferem de outros mamíferos por terem uma carapaça formada por placas ósseas articuladas que, como um escudo, cobrem a cabeça e o dorso. Neste artigo, baseamo-nos em extensa revisão bibliográfica e décadas de trabalho realizado pelos autores para descrever o estado do conhecimento sobre ecologia, biologia, características morfológicas, saúde, estado de conservação e distribuição dos tatus no Pantanal. Visando dar subsídios a futuros trabalhos com as espécies, também descrevemos melhores práticas para a captura e o manejo (e.g., anestesia e coleta de material biológico) das espécies em campo. Apesar do recente aumento do número de estudos, ainda restam diversas lacunas de informação sobre a ecologia e a biologia da maioria das espécies de tatus do Pantanal. Sendo assim, esperamos que as informações e os métodos descritos aqui sirvam de estímulo e base para o desenvolvimento de novos estudos, que aumentem nosso conhecimento sobre estas espécies na região do Pantanal e permitam o planejamento de estratégias de conservação eficientes.

Biografia do Autor

Arnaud Leonard Jean Desbiez, Instituto de Conservação de Animais Silvestres. Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil

Zoólogo, M.Sc. Manejo de Recursos Naturais e Dr. Manejo de Biodiversidade

Danilo Kluyber, Instituto de Conservação de Animais Silvestres. Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil

Médico Veterinário, M.Sc. Doenças Tropicais e Saúde Internacional 

Gabriel F. Massocato, Instituto de Conservação de Animais Silvestres. Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil

Biólogo

Lucas Mendes Barreto, Instituto de Conservação de Animais Silvestres (ICAS)

Biólogo, M.Sc. Biodiversidade Tropical

Nina Attias, Instituto de Conservação de Animais Silvestres. Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil

Bióloga, M.Sc. e Dra. Ecologia

Publicado
2022-06-03
Como Citar
Jean Desbiez, A., Kluyber, D., Massocato, G., Barreto, L., & Attias, N. (2022). O que sabemos sobre os tatus do Pantanal? Revisão do conhecimento sobre ecologia, biologia, morfologia, saúde, conservação, distribuição e métodos de estudo. Boletim Do Museu Paraense Emílio Goeldi - Ciências Naturais, 17(1), 11-69. https://doi.org/10.46357/bcnaturais.v17i1.834